Festa e Recepção

Uma história doce: o bolo de casamento.

Você consegue imaginar um casamento sem bolo? Um pouco dificil não é mesmo. Mais do que adoçar a vida dos convidados, esse delicioso componente dos casamentos possui uma história e vamos te contar onde surgiu essa tradição tão deliciosa.

O hábito de oferecer alimentos simbólicos em datas especiais e comemorativas surgiu a muito tempo. Tudo teve início na Grécia Antiga, através de registros históricos que contam que os convidados de casamentos eram presenteados com biscoitos de gergelim e mel, simbolizando a natureza agridoce da convivência diária entre marido e esposa. Já na antiga Roma, nas cerimônias de casamento eram produzidos um tipo de bolo recheado de frutas secas, mel e nozes, que era esfarelado na cabeça dos noivos e quanto mais farelo caíssem sobre eles, mais prosperidade iriam ter!

Um costume durante a Idade Média deu origem aos bolos de vários andares. Os convidados das cerimônias levavam de presente para os noivos pequenos bolos, que eram empilhados um sobre os outros. Os noivos deveriam tentar se beijar sobre eles sem derruba-los, e caso conseguissem, era sinal de boa sorte e fertilidade no matrimônio.  E quanto mais altos, melhor, pois a altura do bolo também demonstrava o poder e a riqueza das famílias que se uniam. O bolo de três andares teria também um sentido: o primeiro andar significa o compromisso (noivado), o segundo, o casamento, o terceiro, a eternidade.

Resultado de imagem para bolo catarina de médici

Detentores na arte de confeitaria, os  italianos desenvolveram cada vez mais técnicas para confecções e apresentações dos bolos. Neste sentido, uma personagem importante foi Catarina de Médici, amante da boa gastronomia. Tem-se notícia que um dos primeiros bolos de andares foi criado para seu casamento. Isso ocorreu no século XVI. A confeitaria foi então cada vez mais desenvolvida e no século seguinte, surgiu a cobertura do bolo com marzipã, na Inglaterra vitoriana. Esta pasta era um tanto dura e o noivo tinha que, muitas vezes, auxiliar, a noiva no corte. Sabe aquele momento tão românico, do casal cortando o bolo juntos? Pois é, surgiu desta necessidade! Mas isso foi resolvido mais tarde com a criação, nas colônias inglesas na América, de uma pasta mais leve, denonimada “pasta americana”.

No século XVII surge a “torta da noiva”, que podia ter recheio salgado (de carne) ou doce (pão doce). Essa torta era muito comum em cerimônias mais simples, e continha no meio do recheio um anel escondido. Aquela que encontrasse o anel no pedaço em que estivesse comendo seria a próxima noiva. A partir do final de 1800, o bolo de casamento finalmente torna-se presença comum em todo tipo de cerimônia, das mais simples às mais sofisticadas.

Surgiu na Inglaterra a ideia de congelar uma parte do bolo. Após um ano de casados, o casal comemora as Bodas de Papel enquanto relembram os momentos mais doces de suas vidas com aquela fatia. A família Real segue essa tradição a risca! O Príncipe Charles e a Princesa Diana, leiloaram um pedaço de seus bolos em 1981. O preço médio? Nada demais, R$6 mil a fatia. Há pouco tempo, em fevereiro de 2013, um pedaço do bolo de casamento da Rainha Elizabeth II foi leiloado por R$1,6 mil. Confeccionado para a festa da rainha em novembro de 1947, o bolo tinha quase 3 metros de altura e foi nomeado de “bolo de casamento de 10 mil milhas”, devido aos ingredientes utilizados, de origem nos países colonizados pelo império britânico. Muitos casais ainda hoje congelam uma fatia do bolo para comer juntos na ocasião do primeiro aniversário de casamento (pode-se ganhar em significado, mas perde-se um pouco em termos de sabores).

Resultado de imagem para fatia de bolo princesa Diana
Fatia do bolo de casamento da Rainha Elizabeth II com o Duque de Edinburgo.
Imagem relacionada
Fatia do bolo de casamento de Princesa Diana e Principe Charles.

Colorido ou todo branco, o bolo de casamento é um dos principais símbolos do matrimônio e está presente em todas as festas. Se você sabe algo mais sobre a sua historia, conta pra gente! Vamos adorar conhecer mais sobre esse elemento tão rico em simbologia e sabor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *